O Tantra aponta caminhos para que você os trilhe para a felicidade, para a saúde física e mental


O Tantra aponta caminhos para que você os trilhe para a felicidade (não confunda com prazer), para a saúde mental e física. Nos permite questionamentos transformadores como: Quem sou eu? Qual meu caminho (Dharma)? De onde vim e para aonde vou? Por que eu? O porquê de dificuldades e sofrimentos? Porque do meu apego? Porque de tantas Injustiças? Concluindo o Tantra é para todos que querem sair da mesmice, do autoengano, da absoluta falta de percepção de si mesmo e do mundo que o cerca. Pierre Weil, Jean-Yves Leroup e Roberto Crema falam da doença do homem moderno: A normose, a patologia da normalidade que cobra um preço muito alto de quem se vende a ela. A depressão, melancolia, tristeza. Roberto Crema escreveu: “Quem é capaz de dizer não à normose, a essa estrada confortável e fácil, quem é capaz de dizer: “Não, eu não vou por ai! Não, eu não vou fazer esse curso só porque tem mercado. Não, eu não me venderei; não sou alugável, não sou objeto, não sou mercadoria! “Quem é capaz de passar de uma existência traída, vendida, perdida, para a que Jean-Yves denomina existência escolhida, tecida, oferecida? Jurar para si mesmo: “Vou fazer aquilo que meu coração me pede. Em vez de trabalhar para ganhar dinheiro, ganharei o meu salário realizando a minha missão”.

O Tantra é para o não atingível pela normose. Para o homem que busca sua originalidade, autenticidade, lucidez e plenitude.

(Trecho do livro Tantra, teoria e prática do nosso mestre, Otávio Leal - Dhyan Prem)

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo